PUB.

Agricultores vão ter de submeter nova candidatura para receber parte do subsídio do ano passado

PUB.

Qua, 27/03/2024 - 09:20


Os agricultores vão ter de voltar a submeter uma candidatura ao Pedido Único para conseguirem parte do subsídio que devia já ter sido pago

Afinal as promessas feitas pela ministra da Agricultura, em Macedo de Cavaleiros, no mês de Fevereiro, em parte, não se cumpriram.

Maria do Céu Antunes prometeu que 60% do valor dos subsídios seria pago logo em Fevereiro e o restante em Março, ficando apenas a faltar 5%, que são pagos em Junho, como já é habitual.

Mas, segundo Armindo Lopes, um dos porta-vozes dos agricultores da região que reuniu e negociou com a ministra, as coisas não correram como previsto. Dos 35% de agricultura biológica ficou a faltar 20% e dos 25% da agricultura integrada ficaram a faltar pagar 15%. “Há cerca de duas semanas ficamos a saber que temos que fazer uma candidatura no Pedido único e que será pago em Junho ou Julho. Têm que se candidatar para receber as ajudas do ano passado. Em vez de andarmos para a frente estamos a andar para trás, por duas vezes. Fomos informados pela ministra de que os pagamentos iam ser feitos, depois fomos informados pelo chefe de gabinete de que esses pagamentos até seriam pagos antes da aprovação do parlamento europeu. Afinal andamos aqui a dizer umas coisas e fazemos outras”, criticou.

Além do atraso no pagamento dos subsídios, Armindo Lopes alertou para casos de agricultores que ainda não receberam qualquer apoio, porque os controlos não foram feitos a tempo. “O ano passado a candidatura aos subsídios ao Pedido Único começou tarde. No ano normal, o subsídio único vai de Fevereiro até Maio e os controlos começam em Junho ou Julho, que é para estarem concluídos em Outubro ou Novembro. Este ano os controlos começaram a ser feitos em Outubro. Há muitos agricultores na nossa região que ainda não receberam o dinheiro”, sublinhou.

É o caso da filha de Domingos Teiga, de Gralhós, Macedo de Cavaleiros. A produção da filha foi sujeita a controlo a 29 de Dezembro, já muito tempo depois do previsto e só no final de Fevereiro é que foi validada. Até agora não recebeu o que era previsto. “A minha filha em Janeiro não recebeu nada, em Fevereiro nada recebeu e em Março também não recebeu nada. Trabalhei 32 anos no controlo, na Direcção Regional de Agricultura, e nunca nesses 32 anos os controlos se fizeram fora do período que a amostra exigia. Isto é uma vergonha”, reclamou.

Outro dos agricultores que está na frente das negociações, Luís Reis, também sente que foram atraiçoados pela ministra. “A ministra connosco não foi verdadeira, mentiu-nos”, afirmou.

Numa das reuniões com o chefe de gabinete da ministra da Agricultura, tiveram a garantia de que iria ser reforçada a linha de crédito, em mais 50 milhões de euros. Mas Luís Reis diz que é atirar areia para os olhos dos agricultores. “Esses 50 milhões de euros quase com toda a certeza não vão ser distribuídos a nenhum agricultor. Já falei com vários agricultores e nós achamos que estes 50 milhões são virtuais. Se realmente houvesse esses 50 milhões de euros para fazerem pagamentos, eles que paguem os 20% e os 15% que faltam, porque ainda lhes sobrava muito dinheiro”, sublinhou.

O agricultor considera que se o Governo tem esses milhões de euros para linhas de créditos, então pode utilizá-los para pagar os subsídios em atraso.

Os agricultores querem agora reunir com o novo Governo, que tomará posse a 2 de Abril, com a convicção de que as coisas possam melhorar. Caso contrário, prometem voltar aos protestos.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Ângela Pais