PUB.

"Rigor Mortis" sem acusação nem arquivamento

PUB.

Ter, 27/02/2024 - 12:35


Continua sem acusação nem arquivamento o caso da rede suspeita de corrupção e falsificação de documentos relacionados com a emissão de certificados de óbito em Bragança, que levou a Polícia Judiciária a deter, há quase três anos, dois médicos e sete agentes funerários

A Procuradoria-Geral da República disse, ao JN, que “a investigação prossegue, não tendo o inquérito conhecido despacho final”.

A investigação, batizada de “Rigor Mortis”, justificou as diligências da PJ, a 1 de junho de 2021, em várias localidades do concelho de Bragança.

O Tribunal de Instrução Criminal do Porto pôs em prisão domiciliária, com vigilância eletrónica, o então delegado de Saúde de Bragança. Entretanto, o médico aposentou-se e já não exerce.

Os restantes oito arguidos, cinco homens e três mulheres, nomeadamente uma médica e sete agentes funerários, ficaram sujeitos a apresentações bissemanais e proibidos de contactarem entre si.

A investigação centra-se numa alegada rede que permitia a realização de funerais e emissões de certificados de óbito, sem que os médicos vissem os cadáveres.

Por cada certificado, os clínicos ganhavam entre 50 e 100 euros.

Os arguidos, com idades entre os 38 e os 67 anos, são suspeitos de corrupção, recebimento indevido de vantagem, falsificação de documentos e falsidade informática.

Escrito por Rádio Ansiães (CIR)