Pessoas trans do distrito vão ter espaço de acolhimento na Cruz Vermelha de Bragança

Ter, 23/02/2021 - 08:10


Dentro de pouco tempo, a delegação de Bragança da Cruz Vermelha Portuguesa vai ter um espaço de acolhimento para as pessoas trans do distrito

Joana Gomes, assistente hospitalar em psiquiatria, lançou o desafio à entidade brigantina, já que, em algumas consultas, foram surgindo casos de pessoas que precisavam de apoio e de informação.

Segundo esclareceu a médica, esta é uma forma de ajudar estas pessoas a viver a sua identidade de forma plena, mostrando também à comunidade que a atribuição de um sexo biológico à nascença não deve ter um carácter determinista. “Essencialmente queremos dar-lhe um sítio de referência onde possam recorrer, pessoas que sintam que a sua identidade de género está em conflito ou que queiram aceder a tratamentos ou psicoterapia específica. Todas as diversidades são bem-vindas. Queremos saber que as pessoas vão ser aceites na sua pluralidade”.

Joana Gomes explicou que, por agora, serão identificadas as necessidades maiores destes pessoas, por forma a perceber o que é necessário fazer para as ajudar. “Aquilo que sabemos é que, muitas vezes, estas pessoas estão em condições económicas desfavoráveis e, por vezes, afastadas das suas famílias. Normalmente podem precisar de apoio em termos de vestuário, para o processo de transição, e de apoio no transporte a consultas especializadas. Queremos apostar na formação, expondo a pluralidade na identidade de género”.

Segundo considera a médica, apesar de toda a informação que existe e do avanço dos tempos, estas pessoas ainda são fortemente excluídas. “Todas as questões relativas à sexualidade ainda são muito excluídas. Ainda há muito preconceito. Esta comunidade continua a ser classificada como fora da norma e isto é muito agressivo”.

O projecto “Bragança, Diversidades Contigo!” tem como fundamento melhorar a acessibilidade a consultas especializadas às pessoas que pretendam intervenções de saúde, acesso a tratamento hormonal e cirurgias. Também as apoiará nas deslocações a consultas especializadas, assim como prestará auxilio no processo de transição, através do fornecimento de roupas ajustadas à identidade de cada um e criando ainda protocolos com empresas de produtos de estética.

Também se prevê criar uma bolsa de profissionais na região, para que as pessoas mantenham seguimento em proximidade em psicoterapia afirmativa.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Carina Alves