PSD em Macedo de Cavaleiros para "Construir a Alternativa"

Seg, 14/11/2022 - 09:04


A iniciativa "Construir a Alternativa" insere-se no âmbito da discussão do Orçamento do Estado para 2023 e tem como objectivo debate-lo com os militantes, bem como avançar com propostas alternativas

Há seis mil pessoas no concelho de Bragança que, neste momento, não têm médico de família. Em Macedo de Cavaleiros, à margem da iniciativa "Construir a Alternativa", em que o PSD está a percorrer todos os distritos, debatendo o Orçamento do Estado para 2023, Hernâni Dias, presidente da distrital de Bragança do Partido Social Democrata, disse que a situação é caótica e vai piorar. "Acho que na área da saúde deveria o Governo, este ou outros que lhe sucedam, pensar em medidas especificas para os territórios do Interior que, de forma genérica, se traduzem na falta de profissionais de saúde, particularmente de médicos. É essencial atrai-los para o território. Este ano, na Unidade Local de Saúde do Nordeste haverá 22 médicos de Medicina Geral e Familiar que atingem a idade da reforma e no próximo ano serão mais oito. Se não houver aqui uma inversão desta tendência ficaremos numa situação absolutamente caótica. Temos cerca de seis mil pessoas sem médico de família e se as coisas vierem a avançar a este ritmo ficaremos pior".

Paulo Cunha, um dos vice-presidentes do partido, que esteve em Macedo de Cavaleiros, diz que o PSD tem propostas vocacionadas para o Interior, pois o Orçamento do Estado não responde às necessidades do país nem às especificidades da região. "Há porpostas vocacionadas para a questãon da coesão. O dossier das portagens é um exemplo. Temos propostas ao nível da redução das portagens. É um sinal de preocupação com o fenómeno da interioridade. Há outra medida que, muitas vezes, não é associada à protecção de territórios como este, que é a questão do alojamento estudantil. Falamos muito na capacidade de criar condições para os jovens terem acesso aos cursos segundo a sua vocação. Mas, se um jovem entrar na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, provavelmente não a vai frequentar porque não tem alojamento no Porto".

Paulo Cunha assinalou que, neste momento, em vez de se criar alojamento até se chegou a acabar com algum.

Hernâni Dias afirma que este Orçamento do Estado não atende necessidades importantes.

A iniciativa "Construir a Alternativa" insere-se no âmbito da discussão do Orçamento do Estado para 2023 e tem como objectivo debate-lo com os militantes, bem como avançar com propostas alternativas.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Carina Alves