PUB.

Portugal Continental em situação de alerta para risco extremo de incêndio rural

PUB.

Sex, 13/09/2019 - 09:56


Devido às previsões meteorológicas para os próximos dias, calor, tempo seco e aumento da intensidade do vento, que apontam para o agravamento do risco de incêndio florestal, todo o território de Portugal Continental está em situação de alerta no período compreendido entre a 00h01 do dia 13 de Setembro e as 23h59 do dia 14 de Setembro de 2019

O Ministro da Administração Interna e o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural assinaram hoje o Despacho que determina a Declaração da Situação de Alerta para todo o território de Portugal Continental.
O comunicado técnico-operacional da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) determina a passagem ao Estado de Alerta Especial de Nível Vermelho do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) nos distritos de Bragança, vila Real, Setúbal, Lisboa, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Coimbra, Guarda e Viseu. Está ainda determinada a manutenção do Estado de Alerta Especial de Nível Laranja para os restantes distritos de Portugal Continental.
Está assim recomendada a necessidade adoptar medidas preventivas e especiais de reacção face ao risco de incêndio.
As medidas de carácter excepcional, no âmbito da Situação de Alerta, prevêem a elevação do grau de prontidão e resposta operacional por parte da GNR e da PSP, com reforço de meios para operações de vigilância, fiscalização, patrulhamentos dissuasores de comportamentos e de apoio geral às operações de protecção e socorro que possam vir a ser desencadeadas, aumento do grau de prontidão e mobilização de equipas de emergência médica, saúde pública e apoio psicossocial, pelas entidades competentes das áreas da saúde e da segurança social, e, por exemplo, mobilização em permanência das equipas de Sapadores Florestais, do Corpo Nacional de Agentes Florestais (CNAF) e dos Vigilantes da Natureza, que integram o dispositivo de prevenção e combate a incêndios.
Está proibida a realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração, utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Carina Alves