PUB.

Miranda do Douro homenageou o território de fronteira com a primeira edição do F TRAD

PUB.

Seg, 16/09/2019 - 08:13


Com o objectivo de valorizar a identidade partilhada, num contexto de fronteira, decorreu, ao longo do fim-de-semana, em Miranda do Douro, a primeira edição do F TRAD - Festival Cultural Transfronteiriço - Música e Folclore Tradicional

O festival contou com visitas ao património, conferências, recitais transfronteiriços e concertos raianos para mostrar que não há fronteiras e que são mais os elementos que unem estes povos que aqueles que os separam. A gastronomia também não foi esquecida. Quem veio vender sublinha que há uma convivência boa entre portugueses e espanhóis. “Tudo que já vendemos foi a espanhóis. Isto é relevante. Mostra que não há fronteiras e que o nosso produto também apreciado fora e não só aqui”, disse um produtor de azeite do concelho de Mogadouro. “Miranda vive com os espanhóis e partilhamos bem este território de fronteira”, disse uma produtora mirandesa.

O festival é cofinanciado pelo Flumen Durius, um projecto de cooperação transfronteiriço. Mário Correia, da organização, reforça que se trata de uma iniciativa importante para o território dadas as semelhanças entre os povos. “É parte do Flumen Durius e tem como inspiração o rio Douro. Sempre, ao longo da história, houve movimento de vários povos em torno do rio e há, sobretudo, uma preocupação em mostrar que isto é aquilo a que, há muitos, anos chamavam uma euro-região, que partilha mais semelhanças que diferenças”.

Hélder Ferreira, que também integra a organização do festival, acredita que a valorização destas ligações culturais é importante para promover o território. “Acho que é a via certa destas comunidades estarem mais ligadas e depois desenvolverem todo o seu potencial, através destes projectos culturais. Estamos numa altura em que se fala muito de baixa densidade demográfica e mais que falar há que fazer actos. Este tipo de eventos ajuda bastante a promover os produtos regionais, os empresários, e a fazer esta ligação cultural para que se potenciem estas sinergias”.

O festival decorreu ao longo de três dias, em Miranda do Douro, tendo terminado ontem.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Carina Alves