Esperas ao javali envoltas em polémica

Qui, 08/04/2021 - 09:22


A modalidade de acções de correcção de densidade de javalis, autorizada pelo Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, está a gerar polémica entre os caçadores. Com a pandemia a organização de montarias ficou muito condicionada o que pode fazer aumentar a população desta espécie

O ICNF autorizou, por isso, esperas até final de Junho, que se podem realizar de dia ou durante a noite, quando normalmente esta modalidade só acontecia nas noites de lua cheia.

Para Agostinho Beça, caçador e membro do Conselho Cinegético Municipal da Câmara de Mirandela, pode até ser perigoso para agricultores e outras pessoas que seja permitido haver estas caçadas em qualquer altura. "Teoricamente permite que um caçador possa estar numa acção de correção de densidade, no campo, 24 horas por dia. A meu ver, isto gera problemas sérios, em zonas onde há ocupantes de outras actividades ao ar livre, praticantes de percursos pedestres, BTT, desportos motorizados. Isto é aquilo que anteriormente era considerado um acto ilícito".

O edital do ICNF deixa mesmo divididos os caçadores, já que nem todos concordam com estas regras das esperas. "Um caçador consciente, que olha para o curso natural renovável do que é a caça, condena o teor deste edital", acrescentou Agostinho Beça.

Alguns caçadores acreditam também que estas actividades venatórias perturbam a fauna cinegética, já que estamos em época de nidificação e os próprios animais como os javalis estão em períodos de gestação. António Neves é caçador, além de explorar uma zona de caça turística e na última época de caça não organizou nenhuma montaria. Considera que para já na região não se nota um aumento do número de javalis e que este edital não faz sentido. "De certa forma, pôs agora os caçadores uns contra os outros. A meu ver, o edital não faz sentido porque já havia forma de controlar a espécie. Havia os períodos de lua e, eventualmente, correções de densidade. Banalizou-se a caça ao javali e isto está a provocar problemas porque há gente que está a fazer correção porque o do lado também faz, independentemente de haver ou não javalis".

Já para Nelson Cadavez, presidente do Clube de Monteiros do Norte, devido à menor pressão venatória sobre esta espécie, há muito mais animais do que deveria. No entanto, também considera que a solução apresentada tem problemas. "Esse processo de caça tem limitações que não tornam nem prática nem segura esta opção, isto se for massificada, porque se for focalizada é exequível. O Clube de Monteiros do Norte recomenda que se intensifiquem as esperas nocturnas aos javalis, é um processo de caça seguro".

A directora Regional do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, Sandra Sarmento, diz que esta foi a melhor forma encontrada para corrigir a densidade de javalis e acredita que a segurança é garantida nestas esperas. "O ICNF, confrontado com o excesso de população de javalis e tendo recebido inúmeras queixas e reclamações de prejuízos causados pelos animais, implementou o edital no sentido de ser permitida a correção de densidade, pelo método que agora é possível, que é com esperas. Estamos sempre cientes de que a execução dessas esperas sejam feitas em total segurança".

Nos primeiros 15 dias de Março também foram permitidas acções de correcção de densidade, com um posto fixo composto por até 10 caçadores e 20 cães.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Olga Telo Cordeiro