Seca dizima produção de cogumelos silvestres no nordeste transmontano mas não afasta participantes de encontro micológico

Ter, 14/11/2017 - 11:34


Em ano de seca, há poucos cogumelos silvestres no Nordeste Transmontano. Apenas em algumas zonas em que se conserva a humidade o ano inteiro poderá ser possível encontrar alguns raros exemplares, no entanto, a perda é praticamente total segundo o presidente da Associação Micológica Pantorra, Manuel Moredo, que tem ainda esperança que possam nascer alguns cogumelos se chover, mas “neste momento a perda é total em termos de cogumelos gastronómicos”. 

Quanto aos restantes haverá “cerca de 10%” do que existiria num ano normal. “Se não chover provavelmente não vamos ter cogumelos, mas penso que com alguma chuva que possa surgir nestes dias até ao fim do mês de Novembro podem surgir alguns cogumelos”, acredita ainda.

Mas a falta de cogumelos não impediu que os curiosos rumassem a Mogadouro para o XIX encontro micológico transmontano que decorreu este fim-de-semana. Foram cerca de 100 os participantes que quiseram saber mais sobre o assunto.

Para além da saída de campo, de um workshop de identificação de cogumelos e uma ceia micológica realizaram-se ainda palestras e foi apresentado o livro “Cogumelos nas Terras de Miranda: aproveitamento sustentável”, da autoria da doutorada em biologia Marisa Castro, o primeiro escrito em português sobre os cogumelos desta região.

“Aqui nasceu a micologia divulgativa portuguesa, em Mogadouro apareceu a primeira associação micológica de Portugal, a Pantorra e senti necessidade de comunicar algo fácil para que as pessoas fossem colhendo os conhecimentos básicos, interessantes e bem cimentados. A mim fascinou-me ver a quantidade de nomes populares que aqui existem e que muita gente de 50 ou 60 anos já não conhece, tens que falar com pessoas mais velhas”, destacou Marisa Castro.

No evento, o presidente do município de Mogadouro, Francisco Guimarães, adiantou ainda que a academia micológica anunciada há um ano deverá estar instalada na localidade antes do próximo encontro micológico. “Iremos agora preparar tudo para que no próximo encontro micológico tenhamos já tudo a trabalhar e seja efectuado o que está protocolado entre o município, a Pantorra a UTAD e que pode ser estendido ao IPB, que é a entidade que mais estudo faz a nível da micologia no país”, adiantou.

Este fim-de-semana decorreu ainda a II Feira de Cogumelos e até dia 19 acontece em Mogadouro a IX Semana Gastronómica de Micologia, nos restaurantes aderentes. Escrito por Brigantia.