J. Rentes de Carvalho vence prémio melhor livro ficção da SPA com "O Meças"

Sex, 17/03/2017 - 09:54


José Rentes de Carvalho foi o vencedor do prémio de melhor livro de Ficção atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores pelo romance “O Meças”. O escritor transmontano, com raízes na aldeia dos Estevais, concelho de Mogadouro, admite que não está muito habituado a receber prémios e que apesar de satisfeito não celebrou com grande euforia quando recebeu a notícia a meio da noite na Holanda.

“Quando o Francisco José Viegas me comunicou, acordei e fiquei contente, mas na minha idade esses sentimentos e essas excitações já não tenho. É uma situação muito simples”, afirmou.

Para o autor que se radicou na Holanda há 6 décadas e que publica desde os anos 60, o reconhecimento do seu trabalho não chega com esta ou outra distinção mas admite que é satisfatório receber o carinho dos portugueses: o público para quem escreve.

“O reconhecimento não vem agora por estes prémios, o reconhecimento já o tive há 40 anos na Holanda não é exactamente uma novidade. Mas é simpático, porque eu ao fim e ao cabo não escrevo tanto para os holandeses como para a nossa gente”, admite.

O escritor que passa parte do ano na aldeia dos pais em Trás-os-Montes vai lançar nos próximos meses um livro sobre a região, num projecto da fundação Francisco Manuel dos Santos.

Também Trás-os-Montes é o cenário de fundo do romance o “O Meças”, que foi o vencedor do prémio melhor livro de ficção 2016 da Sociedade Portuguesa e Autor, cujo anúncio foi feito na noite de quarta-feira.

Mas não foi o único transmontano distinguido por estes galardões: o mirandelense Eurico Carrapatoso venceu com “Magnificat em talha dourada”, a categoria de Melhor Trabalho de Música Erudita. Escrito por Brigantia.

Jornalista: 
Olga Telo Cordeiro