Distrito de Bragança regista o menor número de nascimentos no país no primeiro semestre

Qui, 09/08/2018 - 12:08


Bragança foi o distrito com menos nascimentos no país, dados do primeiro semestre deste ano. Bragança teve 279 nascimentos ficando atrás de Portalegre. 

Os números são apontados pelos Dados do Programa Nacional de Diagnóstico Precoce, coordenado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge através do teste do pezinho. Os dados indicam um grande problema nacional demográfico, como salienta Adão Silva, deputado do PSD, eleito pelo distrito de Bragança, na Assembleia da República. “Temos um grande problema a nível nacional, que é de facto, do meu ponto de vista, o grande problema que é o enorme deficit demográfico, que está a acentuar-se. Há um envelhecimento acentuado da população, não apenas porque a população tem uma maior longevidade, as pessoas mais idosas vivem mais anos, mas também porque na base não há crianças. O distrito de Bragança ocupa inesperadamente o último lugar de todos, mesmo abaixo do distrito de Portalegre que tendo menos população do que o distrito de Bragança não ocupa o último lugar”, refere.

De acordo com o deputado, o país acordou agora para esta realidade. “No parlamento essas matérias têm sido objecto de grandes debates, o país finalmente acordou para esta grande realidade, sobretudo desde que se acentuou o deficit migratório, há mais gente a sair do que a entrar no país”, destacou.

Como forma de solucionar o problema demográfico, na visão de Adão Silva é necessário criar políticas económicas e sociais que promovam a natalidade. Como “aumento das disponibilidades orçamentais para subsídios e apoios financeiros a famílias que tenham filhos”, “aumento de equipamentos disponíveis” e permitir “a compatibilização do mundo laboral e familiar”.

O “teste do pezinho”, foi realizado a 41.786 crianças, nesta primeira metade do ano, apresentando mais 97 nascimentos do que no mesmo período do ano passado, com os distritos de Lisboa e do Porto, a registar os maiores aumentos, foram feitos 12 501 testes na capital e no Porto 7 462. Escrito por Brigantia.

Jornalista: 
Maria João Canadas