PUB.

Combustível já esgotou em alguns postos de Bragança e Espanha está a tornar-se a solução para abastecer

PUB.

Seg, 12/08/2019 - 09:12


Começou hoje a greve dos motoristas de matérias perigosas. Após o plenário dos sindicatos dos camionistas, no sábado, decidiu avançar-se com o protesto que ainda não se sabe quando terminará. Por Bragança já não é possível abastecer em alguns postos já que, ao longo do fim-de-semana, as pessoas que quiseram precaver-se fizeram esgotar o combustível

Numa altura como esta, abastecer em Espanha mostrou-se a solução mais fácil para os vários brigantinos que se multiplicavam no posto espanhol mais próximo de Bragança. “Vim porque em Portugal está um bocado complicado mas de quando em quando venho aqui. Eu não estive lá nas bombas mas segundo o que estava a dizer a rádio a situação está a complicar-se”, explicou Casimiro Rodrigues. “Normalmente todos os meses venho abastecer a Espanha. Fica perto e é mais barato. Agora com a greve uma pessoa está um bocado mais apreensiva”, referiu Cláudia Carvalho. “É para precaver e é por ser mais barato. Já que estou aqui perto pelo menos poupo. Não sei se ao chegar ao Porto terei gasóleo ou não”, disse Bruno Gonçalves.

Alberto Meirinhos, funcionário deste posto de combustível em Alcanices, refere mesmo que a procura de combustível foi tão grande que levou à intervenção da polícia porque a fila de carros já ocupava vários metros da via. “Sexta-feira à tarde tivemos que pedir intervenção da polícia porque uma das faixas da estrada estava ocupada e representava algum perigo”, explicou. “Nestes últimos três dias temos tido uma afluência extraordinária. É admirável a quantidade de pessoas que têm passado por aqui, não temos mãos a medir e o turno teve que ser reforçado. Temos vendido centenas de jerricans. Abastecemos muito a cidade de Bragança mas temos notado a afluência de pessoas que vêm de paragens mais longínquas e quase toda a gente tem levado jerricans e neste momento estão esgotados”, referiu ainda Alberto Meirinhos.

Este sábado ficou decido, entre os dois sindicatos de motoristas, o independente e o dos motoristas de matérias perigosas, que a greve avançaria com serviços mínimos e até que haja uma resposta definitiva e uma proposta da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Carina Alves